Filosofia


PROJECTO DE FILOSOFIA COM CRIANÇAS E JOVENS

"PENSARILHOS"

 

Projecto desenvolvido pelos professores:

COORDENADORES - Joana Miranda* e Tiago Leal*


História

O Programa de Filosofia Com Crianças e Jovens surgiu nos finais da década de 60 nos Estados Unidos da América. As revoltas estudantis que caracterizaram esta época constituíram um excelente campo de observação no que diz respeito à capacidade argumentativa da juventude e da relação possível entre a qualidade e eficácia desta e o papel da Escola. Foi este cenário que inspirou Matthew Lipman, na altura professor de Lógica na Universidade de Columbia, Nova Iorque, a criar um programa educativo que tivesse como pressuposto fundamental o de que aprender a pensar deve ser contemporâneo ao aprender qualquer matéria. Esse programa, internacionalmente conhecido como Philosophy for Children, encontra-se actualmente espalhado por todos os continentes, sendo crescente a sua implementação em Portugal, quer no ensino público quer privado.


Metodologia

Desenvolver a capacidade argumentativa e discursiva das crianças e dos jovens requer uma metodologia específica. Inspirado na própria Filosofia clássica, este Programa assenta sobretudo na prática do diálogo, transformando uma aula tradicional numa Comunidade de Investigação, em que o Professor é o facilitador da discussão e não o detentor de todas as respostas. Numa sessão padrão, o trabalho de texto (leitura partilhada, construção de agenda com base nas interrogações dos alunos e exploração de sentido(s)) serve de base à discussão que assume a forma de um diálogo coerente, fundamentado, especulativo e rigoroso; por outras palavras,  filosófico.

Esta metodologia está ao serviço do desenvolvimento de três grandes áreas: crítica, criatividade e intervenção.


CRÍTICA

O pensar por si próprio é uma das características fundamentais desta pedagogia. Para que esta autonomia seja realmente eficaz há que zelar pela qualidade do raciocínio proporcionando o contacto com um determinado número de habilidades cognitivas que se desejam interiorizadas como práticas habituais de raciocínio. É o caso, da dedução ou da indução, por exemplo, ou ainda da analogia ou do recurso a exemplos e a contra-exemplos.


CRIATIVIDADE

A originalidade e a capacidade de criar alternativas são igualmente importantes a par com o rigor argumentativo. O recurso frequente a jogos, alguns dos quais criados de propósito para este programa, outros adaptados de acordo com o espírito e metodologia que o caracterizam, fazem com que a dimensão lúdica tenha aqui igualmente uma presença forte. Formas alternativas de expressão, como o uso poético da palavra ou a substituição desta pela expressão plástica, por exemplo, também se inscrevem nesta esfera da criatividade.


INTERVENÇÃO

O termo "caring", utilizado por Matthew Lipman, significa simultaneamente cuidado, interesse, empenho, relacionando assim afectividade e acção. Esta é a dimensão ética do Programa que se caracteriza pelo respeito mútuo e tolerância podendo estes assumir formas diversas que vão desde o respeitar a vez de falar a respeitar diferentes pontos de vista e diferentes modos de pensar. É precisamente por esta componente de intervenção que o Programa de Filosofia Com Crianças e Jovens tem sido também designado como um Educar Para a Democracia, podendo ser utilizado como um programa complementar ou alternativo aos de Educação Cívica.

 

INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO CRÍTICO

Proposta de projecto

 

Objectivos

A introdução de um projecto de pensamento crítico visa não o constituir-se como matéria de estudo, mas, pelo contrário, como um espaço dentro do próprio sistema de ensino, desde cedo, para que se trabalhem competências cognitivas que preparem o aluno para o trabalho efectivo de qualquer matéria. Saber pensar – designação aglutinadora dessas competências – não assume o formato de uma disciplina com programa de autores ou conteúdos de estudo, mas, partindo de uma sólida formação específica do professor, incentiva o aluno a investigar, pelo diálogo, temas e problemáticas. Acreditamos que uma melhoria nos hábitos de compreensão, por meio do efectivo trabalho filosófico e da intervenção dos alunos numa comunidade de investigação, teria os seguintes efeitos:

  • Combate ao insucesso escolar

  • Promoção de um posicionamento crítico

  • Criação de hábitos de intervenção e diálogo

  • Aumentar a auto-estima do aluno no âmbito do seu processo escolar

  • Contribuir para tornar a escola num fórum de investigação e interacção entre os vários intervenientes


Metodologia

Em termos gerais, a metodologia a adoptar seria coincidente com a do programa de Filosofia com Crianças e Jovens.


Material

  • Programas de Filosofia com Crianças, criados por Matthew Lipman, adaptados a cada idade;

  • Materiais originais de diversos autores;

  • Materiais originais, criados no âmbito do Projecto de Cidadania Global, criados no Centro de Estudos de Filosofia da Universidade Católica Portuguesa em parceria com a Fundação para a Ciência e Tecnologia, e que conta com a colaboração de autores nacionais como António Torrado ou Gonçalo Tavares.


Público alvo
:
Crianças a partir dos 4/5 anos.


Logística

A introdução deste trabalho de Pensamento Crítico, poderia ser desenvolvido em sala de aula habitual, sendo necessários os mesmos materiais que para uma qualquer aula. A novidade consistira na disposição em U das cadeiras, a título preferencial. A impossibilidade desta disposição, não invalidaria a prática destas sessões.


Carga horária
:
1 hora semanal.


Contactos

pensamento.andarilho@gmail.com

www.pensamentoandarilho.weblog.com.pt

tiagojoana@gmail.com

Telemóvel: 934279000

Telefone fixo: 22 6176138


* Licenciados em Filosofia, tiraram um curso específico para trabalhar a metodologia da Filosofia Com Crianças e Jovens, tendo-o terminado com média de 16 valores.